O fim do mundo chegou

Sempre fui contra essas teorias apocalípticas de que o mundo caba tal dia, tal hora em tal ano com uma explosão, bomba atômica ou qualquer outra coisa. Mas ontem eu mudei de idéia. O que aconteceu aqui na província foi um absurdo.

Dirigi até a zona sul de Porto Alegre e estava um calor insuportável. Cheguei suado na agências de viagens e fiquei imaginando como seria difícil enfrentar a viagem de volta, já que meu carro não possui ar-condicionado.

Enquanto esperava atendimento, notei que havia escurecido subitamente. Foi aí que um vento absurdo e extremamente forte entrou pela janela e meus papéis para cima. Molibes caíram dos balcões, a porta bateu, os vidros fizeram barulho, deu um estouro no teto. Um funcionário disse: “Bah! As telhas voaram!”. Pânico na agência.

No caminho de volta, vi muitos carros batidos e danificados devido à queda de árvores. Haviam muitos galhos no chão e unidades da CEEE por todos os lados, além de carros da Defesa Civil. O cenário era de pós-guerra acompanhado de uma chuva leve.

Cheguei na agência e não havia luz. A Ju ficou sem luz no trabalho também. Ligueio para meus pais para saber se as coisas estavam bem. Tudo certo por lá. Foi bem preocupante.

O saldo foi de mais 500 pessoas sem energia elétrica no estado, seis mortes e milhares de desabrigados. Terrível.

Há um bom tempo, as manchetes dos jornais têm sido destinadas às mudanças climáticas repentinas e seus conseqüentes estragos. Lugares onde não haviam fenômenos naturais passaram a tê-los com freqüência. Algo está acontecendo sim. Abram o olho. A natureza está dizendo basta e nos dando um “toque”.

….

Uma das cenas mais vergonhosas do futebol aconteceu nesta quarta-feira nas Eliminatórias da Copa do Mundo. O habilidoso atacante francês Thierry Henry aparou a bola com a mão e deu passe para o zagueiro Gallas marcar, na prorrogação de uma partida difícil contra a Irlanda, que acabou eliminada após esse lance.

Fiquei com raiva e vergonha pelos franceses. O desespero do goleiro irlandês quando ocorre o lance é contagiante. Toda zaga parou.

Acho que por ser Copa do Mundo, o Fair Play fica mais em evidência e aumenta o choque. Nunca fui com a cara da seleção francesa no futebol, sempre nos ganharam, algumas de forma justa (1998 e 2006) e outras não (1986).

Decidi eleger a França como a vilã da Copa. Fica minha torcida por um fracasso deles. O próprio Henry, pressionado pela enorme repercussão contrária, declarou que admitiu aos irlandeses e à imprensa, depois do jogo, que usou a mão. Depois do jogo… na hora não teve caráter suficiente, né? E completou dizendo que o mais justo seria jogar de novo. Não acho. E nem a FIFA embarca nessa.

….

Vamos lá, Dark Journal com tudo, muitas histórias semana que vem.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: