Arquivo de maio, 2010

We are one

Posted in Coisas de Andrei, Fica quieto!!, Mural with tags , on 28/05/2010 by andreifonseca

Há um ano, eu escrevi aqui sobre um fato que havia mudado minha vida. Eu conheci, em 2009, a mulher que é perfeita para mim. Complicada e perfeitinha, como diriam os Raimundos. Brincadeira, babe. Rã rã rã.

Bem, pois hoje completamos um ano oficial de namoro, fora os ticaricaticas de antes. E foi, sem dúvida, o melhor ano da minha vida. Portanto, vou pedir licença aos meus leitores, e vou me dirigir unicamente a ela.

Babe… nesse um ano, fizemos de tudo… amamos, brincamos, rimos, nos divertimos, viajamos, dormimos, sonhamos, acordamos, mudamos, trocamos, compartilhamos, jogamos videogame, discutimos, bebemos, comemoramos… tudo que um casal faz e precisa.

Mas, conosco é diferente. Tudo é especial. Tudo é mágico. Tudo tem um sabor incrível.

Algumas pessoas buscam a vida inteira, outras desistem, os bem-aventurados conseguem… eu digo certamente que encontrei. Encontrei minha cara metade. One and one makes two. E, para não contradizer o título deste post, we’re one, babe, even if we are not the same.

Te amo. Happy anniversary.

Nudez portenha

Posted in Comunicação, Copa do Mundo 2010 with tags , , , , on 27/05/2010 by andreifonseca

E assim disse o poeta Maradona: “Se a Argentina for campeã, vou correr pelado em volta do Obelisco”. Eita, nóis! Don Diego vai fazer bundalelê em Buenos Aires. Cara, juro… consigo imaginar a cena. E não tem nada de bonito. Lega foi o comentário do pessoal da Globo ao dar a notícia: “E olha que vai estar frio quando a Copa terminar”.

Além de prometer nudez em frente ao maior monumento na capital argentina, Maradona foi mais além, com o intuito de deixar jogadores a vontade. El comandante liberou sexo, vinho e churrasco durante a concentração na África do Sul. Mas vem cá… qual é a dele, hein? Alguém me explica?

Pô, o cara vai deixar os comandados comerem, bederem e comerem de novo. A Argentina será a seleção mais ousada na Copa, sem dúvida. Pelo menos no hotel. Ah, e com relação ao sexo, deve ser com “uma pessoa conhecida”.

Ah, sem esquecer dos seis videogames (até aí tudo bem) e os vasos sanitários de R$ 2 mil cada também requisitados. Pudera, com toda aquela fartura liberada, tem que se preocupar na hora de “liberar” mesmo. Rá!

Bem, com este post, inauguro a sessão Copa do Mundo 2010. Serão palpites, notícias, comentários… aguardem!

….

Ozzymania

Se tem um cara que eu admiro pela história de vida e pela música, esse cara é Ozzy Osborne . Ele é foda. Único. Teve o grande prazer de vê-lo ao vivo em 2008, num show inesquecível, em São Paulo. Muito bom mesmo.

E agora, para fazer o lançamento do seu novo disco, Scream, ele resolveu se disfarçar do seu próprio boneco de cera, no museu Madame Tussauds, em New York.

Genial. O resultado foi esse aqui.

Azar o meu que, quando estive lá, não rolou.

Idiotices da vida

Posted in Comunicação, Mural, O mundo cruel with tags , , on 27/05/2010 by andreifonseca

Cenas de idiotices são comuns e tenho certeza que todos que me lêem (assim como eu) já as presenciaram ou cometeram. Pois bem, hoje vi uma ótima.

Estava no supermercado apenas para pegar o essencial da semana, pois eu havia esquecido a lista na geladeira mais uma vez (idiotice número 1). Mas, dessa vez, não cometi uma idiotice comum de quem está com pressa: entrar no supermercado para comprar um ou dois produtos e, para matar tempo, não pegar carrinho.

Atenção: é uma completa idiotice ir ao supermercado e não pegar sequer um cestinho. Vai dar merda certo. Você nunca, mas nunca mesmo, vai pegar somente aquilo que você imagina. Sempre entram coisas a mais. É a magia do supermercado.

Embora eu estivesse com pressa, não caí neste truque. Infelizmente um senhor baixinho que eu encontrei no corredor dos molhos não pensou como eu. Assim que ele chegou, já senti o drama.

O cara tinha um saco de pão, manteiga, queijo, mortadela e uma bandeja de bife numa mão, e na outra detergente, sabão em pó e uma Coca dois litros. Sim, era possível, por mais que parece inimaginável.

Acredito que aquele corredor era a última parada, pois ele caminhava rápido em direção ao caixa. Foi aí que parou junto aos potes de molho de tomate. E escolheu exatamente aquele maior de todos.

Com as duas mãos e braços ocupados, nosso herói começou a estudar como pegar o pote sem deixar nada cair ou muitos menos soltar algum produto. Rápidos segundos foram necessários para que ele, com a mão direita, segurando a caixa de sabão em pó, tentasse “abraçar” o pote de molho de tomate.

Rapidamente, percebi que a expressão dele mudou… o que era esforço se transformou em pânico imediato, quando ele recuou apressadamente. PAF! Aquele barulho seco de vidro quebrando ao bater no chão.

Estava feita a merda. O bocó ficou olhando a idiotice que acabara de fazer, com uma perfeita cara de… de… bocó! Impressionante. Era a crônica da morte anunciada.

Chegou um funcionário, viu a cena, e imediatamente entregou ao homem… um cestinho! Que constrangido e agradecido, colocou as suas coisas, pegou outro pote de molho de tomate e se dirigiu ao caixa.

….

Sabe, tenho escutado A Voz do Brasil. Ouvi todas manifestações sobre a lei da ficha limpa, aprovada na semana passada. Sem dúvida, um dos atos mais importantes deste ano, caso não fique prejudicada na questão de tempo verbal da redação.

Realmente é um programa que traz aos brasileiros informações imprescindíveis, mas minha bronca é com a obrigatoriedade, pois não há outra opção de noticiário ou entretenimento. E só aqui no Rio Grande do Sul.

Por enquanto, os gaúchos devem se contentar com manchetes como a citada acima ou então com essa que ouvi na semana passada, que abriu o programa. “Servidores públicos travestis e transexuais podem adotar nome fantasia no crachá de identificação”.

Agora sim. Aquele que antes era Paulo ou João pode virar Cláudia ou Betina. Nada mais justo. Porém, tem que ter o nome social ou fantasia na parte da frente do crachá e o nome de bastimo na parte de trás.

Minha pergunta fica: e o banheiro, pode usar o feminino? Ou tem que ser o masculino? #comofaz? #alguémsabe? Sugestão de pauta para a @vozdobrasil.

Vinho, poesia ou virtude

Posted in Mural, Poemas with tags , , , on 20/05/2010 by andreifonseca

Um ano de namoro oficial merece uma grande comemoração, mesmo que alguns dias adiantada. A Ju teve uma idéia genial de alugar uma cabana na serra gaúcha para celebrarmos essa data. E foi maravilhoso.

Claro que passamos um excelente tempo juntos, mas vou deixar estas informações somente para o casal. Escrevo aqui para falar de roteiros. Quem ainda não foi ao Vale dos Vinhedos em Bento Gonçalves, está perdendo e muito! O lugar é absolutamente sensacional.

Ficamos na Pousada Borghetto Sant’Anna, logo na entrada (ou saída, dependendo do ponto de vista) do Vale. De lá, é possível se deslocar com facilidade pelas vinícolas e pelos resutarantes.

A Vinícola Miolo, em especial, é um show. Sem dúvida a maior de todo lugar, com produção estimada em 12 milhões de litros pó ano. Ao fazer o passei dentro da empresa, se percebe o profissionalismo e o cuidado com a qualidade que os caras têm.

Mas não só das famosos fizemos o nosso passei. Decidimos procurar os vinhos desconhecidos mas que tem sabores ímpares. Por acaso, encontramos a Vinícola Barcarola. Empresa familiar, nos acolheu de forma muito simpática e calorosa.

Provamos seus principais vinhos e um chamou mais atenção: o da uva Lagrein. Somente esta família cultiva esta casta no Brasil. Originária de uma região perto de Tirol, na Áustria, o Lagrein é muito saboroso, lembra bastante o Carmenère, tem um aroma frutado, leve e uma cor rubi bem densa. Além disso, o Cabernet Sauvignon deles é excelente. Uma gratíssima surpresa.

Além do passeio nas vinícolas, o lugar em si é extremamente inspirador. Não há como observar a paisagem sem ficar impressionado com a sua beleza, além de causar uma forte inspiração. Há uma sensação de paz inigualável. Romantismo então nem se fala. Fácil amolecer o mais empedrado dos corações.

No livro de registros da cabana, deixei o poema de Baudelaire, “Embriague-se”. Acho que diz tudo sobre os momentos que passamos, o lugar e o clima.

Justo dividir com vocês. Sugiro acompanhado de um bom vinho.

EMBRIAGUE-SE

É preciso estar sempre embriagado. Isso é tudo: é a única questão. Para não sentir o horrível fardo do Tempo que lhe quebra os ombros e o curva para o chão, é preciso embriagar-se sem perdão.

Mas de que? De vinho, de poesia ou de virtude, como quiser. Mas embriague-se.

E se às vezes, nos degraus de um palácio, na grama verde de um fosso, na solidão triste do seu quarto, você acorda, a embriaguez já diminuída ou desaparecida, pergunte ao vento, à onda, à estrela, ao pássaro, ao relógio, a tudo o que foge, a tudo o que geme, a tudo o que rola, a tudo o que canta, a tudo o que fala, pergunte que horas são e o vento, a onda, a estrela, o pássaro, o relógio lhe responderão: “É hora de embriagar-se! Para não ser o escravo mártir do Tempo, embriague-se; embriague-se sem parar! De vinho, de poesia ou de virtude, como quiser”.

Baudelaire

A voz que não cala

Posted in Comunicação with tags , , on 18/05/2010 by andreifonseca

Desde o dia de ontem, o programa produzido pela RadioBrás, em Brasília, “A Voz do Brasil” voltou a ter a sua obrigatoriedade de veiculação em TODAS emissoras de rádio do Rio Grande do Sul no horário das 19 horas. Em 2006, uma liminar fora concedida, permitindo que veículos a transmitissem em horário alternativo.

O Supremo Tribunal Federal caçou, na semana passada, essa liminar. A decisão vale, porém, para emissoras gaúchas, que poderiam transmiti-la até 24 horas após a sua veiculação original, de acordo com a decisão anterior. As de São Paulo, por exemplo, podem utilizar a faixa das 19 horas ainda livremente.

Voltamos para a década de 30 do século passado, quando há quase 80 anos atrás, o presidente Getúlio Vargas criara este recurso a fim de transmitir suas idéias para um país gigantesco, em época de comunicação precária.

Concordo que naquela época se justificava. Não havia internet, Twitter, celular e tal, então o governo federal deveria ter um mecanismo de comunicação oficial. Escolhera (muito bem) o rádio, maior fonte de informação daqueles tempos. O programa ajudava a combater o caudilhismo no nordeste brasileiro, por exemplo, que dominava os veículos de comunicação.

Hoje, não vejo a mínima necessidade da obrigatoriedade deste recurso, ainda mais em caráter imediato. Emissoras têm programação, contratos publicitários e, sobretudo, audiência e compromisso com ouvintes que a escolhem por esse ou aquele motivo. Abruptamente, foram privados de uma programação que curtiam antes.

A decisão vale até a que o caso seja julgado em última instância. Procurei no site do STF uma notícia sobre a decisão e confesso que não encontrei. Gostaria de ler os argumentos do ministro Celso de Mello.

Respeito e muito o trabalho do STF, embora tenha opiniões divergentes sobre matérias por lá tramitadas e julgadas. A Associação Gaúcha das Emissoras de Rádio (Agert) vai tentar reverter, argumentando que a audiência aumentou em 300 mil ouvintes por minutos no horário antes ocupado por notícias oficiais.

A “Voz do Brasil” tem notícias dos três poderes e eu confesso que quando era obrigatória, ouvia de vez em quando, devido à minha profissão.

Mas eu sou um caso isolado. Perguntem ao grande público o que eles preferem enquanto se dirigem para casa: política ou música/esportes/entretenimento/notícia. Ou simplesmente a liberdade de escolher qualquer um desses, ao invés de ter que ouvir.

Tanto STF quanto Ministério das Comunicações quanto a própria voz do Brasil tem Twitter, site, rádios particulares, etc. Mesmo com emissoras sendo concessões públicas, o público quer ouvir aquilo que gosta. O maior censor é controle remoto e o dial do rádio.

A camiseta roxa

Posted in New York 2010, O mundo cruel with tags , , , on 13/05/2010 by andreifonseca

A minha loja preferida de New York se chama UNIQLO e tem um amplo espaço no início da Broadway, no SoHo. Dentre várias marcas que estão presentes nessa área da cidade (sim, qualquer uma que vier à sua cabeça), esta chama mais a atenção. A fachada é bem interessante, mas o interior dela é espetacular.

Quem procura roupas diferenciadas, de qualidade e a baixo custo deve ter a UNIQLO como parada obrigatória. Claro que eu a Ju fomos até lá, durante a nossa visita à Big Apple em janeiro deste ano.

Como eu já conhecia a parada, de cara já fui pegando um cestinho, porque sabia que a coisa seria feia. Uma camisa daqui, um blusão dali, um casaco lá… até que vi duas coisas que me chamaram a atenção: uma mochila de couro ecológico e uma camiseta roxa de manga longa. Estavam aí duas coisas diferentes, afinal quem me conhece sabe que eu costumo usar preto dia e noite. E sempre quis ter uma mochila pequena, que coubesse apenas o laptop e um bloco.

Assim que submeti à minha consultora oficial para assuntos de vestimentas, fui ampla e duramente criticado. Ouvi coisas terríveis, como “ridículo”, “ nada a ver” e “tralha”. Mas, dessa vez, resolvi insistir e levei. Sob protestos.

A mochila usei bastante tempo quando estava na agência e não recebi muitas críticas. Mas a camiseta roxa ainda não havia uma oportunidade para vesti-la. Até hoje. Ao arrumar os armários, desenterrei-a e resolvi usá-la.

Assim que cheguei na casa dos meus pais já ouvi um “nossa… que diferente essa camiseta, hein?”. Pô, é só uma camiseta, gente! Nada demais. E fui almoçar no Bourbon Country.

Pedi meu lanche e me sentei em uma parte mais afastada da praça de alimentação, enquanto ouvia o iPod e esperava o rango. Em poucos segundos, percebi que os pré-adolescentes que ocupavam 70% do ambiente não tiravam os olhos de mim. Pensei: deve ser porque esqueci de tirar os óculos escuros. Mas a leitura labial que fiz de uma menina denunciou: “que estranho um cara desse tamanho de camiseta roxa”.

Mas vem cá, tchê! Qual é o problema? É proibido usar roxo? Passei a fazer expressões feias e de reprovação, afinal eu me sentia como uma arte abstrata do MoMa. Aos poucos, os rostos foram virando para outro lado e a vida voltou ao normal.

Ao me levantar para ir embora, percebi um rapaz de uns 30 anos, bem vestido com trejeitos afeminados, bebendo chopp preto (as duas da tarde). Ele me olhava de um jeito estranho. Ah ta! Só falta me dizer que era por causa da camiseta roxa. Que inferno.

Consultoras de moda, atenção. Fê, em especial, pois sei que gostas de roxo. Pergunto. Tem algum problema usar uma camiseta dessa cor? Ou simplesmente não combina comigo? Para o meu gosto ficou bonito.

Vou continuar usando sim, mas não quando a Ju estiver junto. Ela não merece pagar esse mico.

23 guerreiros

Posted in Mural with tags , , , , , on 11/05/2010 by andreifonseca

Acabou o mistério. Sabemos agora quem são os 23 guerreiros que vão nos representar na Copa do Mundo, que inicia exatamente daqui a 30 dias. Confesso que errei quatro nomes, quando apostei em Victor, André Santos, Ronaldinho e Adriano.

Segue a lista com meus comentários.

Goleiros: Júlio César, Gomes, Doni. Bem, aqui, sem dúvida, houve um pecado. O melhor goleiro do Brasil em atividade, Victor, do Grêmio, ficou de fora. Dunga errou feio. Podia até não jogar, mas merecia MUITO ir.

Laterais direitos: Daniel Alves e Maicon. Ambos estão jogando demais. Merecido.

Laterais esquerdos: Michel Bastos e Gilberto. O primeiro é bom, e o segundo, atualmente, joga de meio campo. André Santos ou Kléber poderiam ir, mais por falta de opções melhores.

Zagueiros: Lúcio, Juan, Luisão e Thiago Silva. Gostaria mais que o Naldo fosse no lugar do último, mas tudo bem, ta valendo.

Volantes: Josué, Gilberto Silva, Felipe Mello e Kléberson. Bem, aí tem problem. Embora eu tenha adivinhado este quarteto, contesto TODOS os nomes. Sandro joga muito mais que qualquer um desses. Adílson também. Um pouco mais de tempo, e até Fábio Rochemback corria risco de ir, já que o critério não foi técnico nesse caso.

Meias: Elano, Kaká, Júlio Baptista e Ramires. O único incontestável é Kaká, sem dúvida. O resto merece interrogação. Ainda preferiria Ronaldinho.

Atacantes: Robinho, Luis Fabiano, Nilmar e Grafite. Estava esperando por Adriano, mas acho que, na ausência dele, Grafite foi uma boa escolha. Centroavante de área, de combate, choque físico. Me serve.

No lugar do Dunga, eu possivelmente mudaria metade da lista, mas acho que ele foi coerente sim, como o próprio gosta de ressaltar. Fora contratado após o fiasco da Copa de 2006 com o objetivo de fazer uma renovação e resgatar o orgulho de vestir a camiseta de seleção brasileira. O grupo composto acima responde à estes dois itens.

Fecho com ele neste sentido, entre levar porrada por inventar e por ser convicto, fico com o segundo. Porque se eu ganhar, tenho como justificar e ter orgulho próprio. Acreditei em mim e deu certo.

A entrevista coletiva mostrou um Dunga gripado porém bem diferente do que eu estava acostumado a ver. Respondeu a TODAS perguntas calmamente, inclusive as mais agressivas, Fez ironias, mostrou ter mais “cancha” nesse ponto.

Satisfiz-me com todas suas explicações, embora nenhum colega tivesse o questionado sobre Victor (na minha opinião, o maior pecado). O administrador de campo (como gosta de falar Cláudio Cabral) teve cojones para deixar de fora os meninos da Vila. E eu concordo com ele. Não é por que os caras pintam agora e devem ir pra Copa. Tem que mostrar mais.

Teve um colega que, na minha opinião, fez uma pergunta maldosa, ao questionar Dunga sobre Pelé, dizendo que, por sua juventude, não o levaria para o Copa de 58 se fosse técnico. A resposta dada foi ótima, quando Dunga disse que Pelé já tinha jogado pela Seleção antes da convocação. E acrescento que o caro jornalista esqueceu um detalhe fundamental nesse ponto: a questão temporal. Pô, não vai querer comparar hoje com 50 anos atrás, né? Por favor.

Agora, ele tem que chamar mais 30. Dunga, mantenha esse critério aí. Só chama jogadores que atuaram pela seleção, ta?

No mais, segue o espírito patriota, vamos torcer por esses guerreiros aí, cada um na sua galera, com o seu churrasco e sua cerveja, gritando “Pra frente, Brasil! Brasil! Salve a Seleção!”. Peço que deixem as porradas para depois, se necessárias forem.